... a descobrir

Pego do Inferno

O Pego do Inferno é uma das quedas de água da ribeira da Asseca, que forma uma lagoa com água de um verde intenso e refrescante, rodeada por um vasto arvoredo e arbustos, constituindo uma das mais bonitas paisagens Algarvias, embora que distinta da imagem turística do Algarve da costa dourada.

Trata-se de um percurso pedestre onde o ponto alto é o bonito “Miradouro do Pego“, onde se pode admirar a queda de água que oferece condições ideais para mergulhos refrescantes nos meses de verão.

A cerca de 10km de Tavira, na freguesia de Santo Estêvão, o acesso faz-se por carro e após chegar será necessário realizar o restante trajecto a pé, entrando-se na estrutura de madeira de acesso à lagoa. Merecedora de ser percorrida com olhar mais atento à diversa flora e fauna que aí se pode observar: plantas, aves, e répteis e também as principais formações geológicas do Pego do Inferno.

Rota da cortiça

A história da cortiça em Portugal está intrinsecamente ligada a S. Brás de Alportel, concelho algarvio onde se fabricam as melhores rolhas do mundo. A proximidade da Serra do Caldeirão, a norte, e a linha de cerros do Barrocal, a sul, proporcionam um paraíso climático para os montados de sobreiros.

Inicialmente utilizada no fabrico de baldes e alguidares, depressa, e graças à industrialização, a casca do sobreiro ganhou novas utilidades. Hoje, produzem-se rolhas, cabos de cana de pesca, penas para volantes de badmington, malas e sapatos, revestimentos para construção, isolantes térmicos e acústicos, entre outros.

O processo de tratamento da cortiça é moroso e exige técnicas especiais. Uma vez extraída do sobreiro, a cortiça é deixada a secar durante seis meses, sendo posteriormente cozida e colocada em repouso algumas semanas. Só depois de separada e prensada, fica pronta para ser transformada.

Actualmente, esta indústria milenar é alvo do interesse turístico. A Rota da Cortiça é um itinerário pela Serra do Caldeirão que mostra a produção dos montados, a extracção da cortiça e a sua transformação industrial contribuindo assim também para proteger e divulgar o único produtoem que Portugal é líder mundial.

http://www.rotadacortica.pt

Rota do Medronho

Um dia diferente na Serra do Caldeirão. Em datas previamente estipuladas, vários grupos acompanham o agricultor na apanha do fruto, o medronho. As cores e os cheiros vindos dos medronheiros proporcionam um cenário agradável para uma manhã bem passada, ao som das histórias que giram à roda da produção da aguardente de medronho. Muito poucos agricultores têm uma licença para destilação, mas são toleradas algumas licenças para que essa especialidade algarvia se mantenha viva. Assim, muitas das pequenas produções são para consumo próprio. Os medronheiros crescem selvagens em solos pobres nas regiões rurais, como o Algarve interior e Alentejo. Não há nenhum plantio comercial (plantações) de medronheiro. O fruto é colhido pelos agricultores locais e processado por particulares, que artesanalmente fabricam nos seus alambiques ancestrais, o néctar do medronho.

O passeio passa depois pelo acompanhamento do produtor numa visita à sua destilaria, ficando-se a conhecer o processo de transformação do fruto em aguardente e os instrumentos utilizados. Delicie-se ao ver o alambique em funcionamento e claro, degustando o medronho. O passeio termina com o repasto organizado pela associação de desenvolvimento local.

Projecto Querença

O Projecto Querença, promovido pela Fundação Manuel Viegas Guerreiro em parceria com a Universidade do Algarve conta com uma equipa de 9 jovens licenciados, com diferentes formações, a viver 9 meses numa aldeia rural para aí desenvolverem projectos viáveis, com o objectivo da valorização da aldeia, seus recursos sociais, culturais e ambientais. Através da recuperação de hortas tradicionais, recriação de mercado local, criação de marca local de qualidade, promoção do ecoturismo, dinamização de área protegida local, criação de viveiros de plantas autóctones e sementes, desenvolvimento de novos produtos agro-alimentares, inovação no artesanato, criação de circuitos de comercialização, etc, pretende-se criar condições para a criação de empresas de produtos e serviços de Querença.

http://www.facebook.com/projectoquerenca


Observatório Astronómico


Conheça Mais
A Via Algarviana é um dos muitos segredos do Algarve. É um caminho pedestre de longa distância (300 kmde comprimento), perfeito para caminhadas e ciclismo, que vai de Alcoutim... a Sagres.
O céu azul e as temperaturas amenas são condições ideais para a prática do Golfe. Também por isso, o Algarve já foi, por diversas vezes, considerado o melhor destino de Golfe do Mundo pela International Association of Golf Tour Operators.
Estamos no Algarve! Ponha um pé na areia e sinta a temperatura do seu corpo a subir... Três mil horas de sol, águas amenas, extensas areias e ...
As Ecovias do Algarve são um conjunto de rotas cicláveis, naturalmente vocacionadas para a utilização preferencial de bicicleta. Inserem-se num esquema director definido para o Algarve, esquema esse que é constituído por 4 eixos principais: Ecovia do Litoral, Ecovia do Guadiana, Ecovia da Costa Vicentina e Ecovia do Interior.